Blog

Acompanhe os nossos destaques

Agenda Transformação Digital de Cabo Verde

A visão de Cabo Verde como um Centro das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), preconizada pelo Governo desta IX Legislatura, visa contribuir para a diversificação econômica e alavancar tecnologias digitais articulado no PEDS para o período 2018-2030.

A economia digital é considerada crucial para o alcance dos objetivos mais amplos estabelecidos no Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS) para setores como saúde, educação, transporte e um acelerador eficaz no setor de turismo. O PEDS inclui três pilares estratégicos para alcançar a visão de um Hub ICT: Conectividade; Desenvolvimento de Capacidades e Plataforma de Serviços.

Neste âmbito o Governo aprovou a Agenda Cabo Verde Digital, elaborada com base numa nova visão nacional para a banda larga e que aposta no dividendo digital e nos complementos analógicos

Esta Agenda Digital visa contribuir para a transformação do país num Centro digital para acelerar a economia digital, por meio de uma infraestrutura digital aprimorada, da demanda reforçada de serviços e habilidades digitais para melhorar a competitividade.

A execução desta agenda é cofinanciada pelos fundos do Banco Mundial, no valor de 30 milhões de dólares, durante 5 anos, e está estruturada em quatro grandes pilares. O primeiro refere-se aos “fundamentos e reformas do ecossistema digital” (US $ 6 milhões), que prevê as seguintes componentes: Política, regulamentos e governança digital de TIC prospectivas (US $ 1 milhão); Pré-requisitos digitais dignos de confiança: segurança cibernética e governança de dados (US $ 2 milhões); Capacitação de funcionários do governo (US $ 0,5 milhão); Apoio na implementação da reestruturação do NOSI (US $ 1,5 milhão); e Inovação - Liberação de frequências e criação de sandboxes de regulamentos (US $ 1 milhão).

O “aprimorando a conectividade digital “(US $ 10 milhões) é o segundo grande pilar da Agenda Cabo Verde Digital, em que serão materializadas as seguintes componentes: acelerando a implantação 5G (US $ 2 milhões); Habilidades digitais para a força de trabalho futura (WebLab 2) (US $ 5 milhões); e Compra de capacidade para educação digital (US $ 3 milhões).

“Cabo Verde como Plataforma Digital” (US $ 12 milhões), é o terceiro pilar, e está segmentada nas seguintes componentes: aprimorando o mercado digital de serviços governamentais (US $ 9 milhões); Porta de dados neutra (fluxo de dados transfronteiriço) para monetizar a capacidade da nuvem (US $ 1 milhão); e Ecossistema de Inovação de Cabo Verde (US $ 2 milhões).

Por último, tem-se o pilar “Gerenciamento de Projetos” (US $ 2 milhões), cujo desembolso está previsto para mês de maio de 2020.

De referir que, enquadrado na estratégia desta Agenda Digital, o Governo criou as Zonas Económicas Especiais para Tecnologias (ZEET), que situar-se-ão no Parque Tecnológico de Cabo Verde, incluindo os polos e zonas contíguas do “Castelon Vale” na Praia e do “Julion Vale” em Mindelo.

O projeto do Parque Tecnológico de Cabo Verde está atualmente em construção prevendo-se a sua conclusão em meados de 2020. Está avaliado em cerca de 35 milhões de Euros, financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), mais uma contrapartida do Estado de Cabo Verde em cerca 4 milhões de Euros.

Comporta a construção de centros de negócios, de incubação, de certificação e formação, edifício administrativo, auditório cívico, Data Center, com pólos na Praia e em Mindelo.

 

Documentos para consulta:

1. Entregáveis da Governação Digital-Plano de Acão 2020

2. Casa Cidadão Entregáveis 2020

3.  UTIC- Ministério das Finanças Entregáveis 2020

 

Informações adicionais

http://estrategiadigital.gov.cv/index.php/pt/

http://www.techpark.cv/

https://www.techpark.cv/techpark-overview/

http://weblab.gov.cv/

https://akademia.nosi.cv/ 

Maio: Rede wi-fi chega a várias localidades e vilas da ilha

O acesso à internet em várias localidades e vilas na ilha do Maio vai passar a ser uma realidade e gratuito, com a entrada em funcionamento do serviço wi-fi, a partir desta sexta-feira.

A ilha do Maio está prestes a ser a primeira ilha digital do país, graças ao projecto SV4D-CV, Aldeias Sustentáveis para o Desenvolvimento, que já instalou em vários povoados da ilha equipamentos que vão possibilitar aos moradores terem acesso à internet através do serviço wi-fi.

Este projecto de cariz social financiado pela Associação Fraunhofer Portugal, visa dotar a ilha de melhores soluções tecnológicas, que permitam a inclusão digital, sobretudo nas zonas com maiores problemas de acesso à internet nas praças digitais.

O projecto, a ser inaugurado esta sexta-feira e financiado pela Associação Fraunhofer Portugal, conta com várias parcerias, quais sejam da Câmara Municipal do Maio, da Agência de Regulação Multisectorial da Economia, da Direcção Geral das Telecomunicações e Economia Digital, da ARCTEL, do NOSI, da CV Telecom e da Unitel Tmais.

O acto de inauguração, que está previsto para acontecer às 12:00, na vila do Barreiro, vai ser antecedido de um workshop em que se vai fazer a apresentação do referido projecto e que vai contar com a presença dos representantes de todos os parceiros envolvidos neste projecto.

Fonte: Sapo.cv

Solução desenvolvida no âmbito do programa JUMP Start do NOSi Akademia apresentada na 4ª edição do CVNEXT

“Safe and Smart Táxi” uma solução da empresa Smart Solutions desenvolvida no âmbito do programa JumpStart da NOSi Akademia foi uma das soluções que esteve em destaque durante a 4ª edição do Encontro Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovação (CVNEXT), que teve lugar na cidade da Praia nesta quarta-feira, 17 de dezembro.  JUMPSART, recorda-se, é uma iniciativa do NOSi Akademia destinada a suportar, gratuitamente, projetos de Investigação e Desenvolvimento das Empresas nacionais.

NOSi Akademia | Concurso 01/2020 - recrutamento de 48 Estagiários | Prazo candidatura até 22 de dezembro

A candidatura deve ser feita única e exclusivamente, através do site www.akademia.nosi.cv

Multinacional norte-americana ajuda Cabo Verde a formar 10 mil jovens no digital

A IBM e o governo de Cabo Verde estão a colaborar no projeto "A Nação Digital África", que vai formar 10 mil jovens para que adquiram competências no ramo digital.

O Governo de Cabo Verde e a multinacional norte-americana IBM assinaram esta segunda-feira um memorando de entendimento para a implementação de um programa piloto que vai formar 10 mil jovens ao nível do digital.

O documento foi assinado, na cidade da Praia, pelo diretor-geral das Telecomunicações e Economia Digital de Cabo Verde, Aruna Hendem, e pela diretora-geral da IBM para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), Júlia Carvalho, que considerou que se trata de uma “parceria muito importante”.

Denominado “A Nação Digital África” e criado em 2018 especificamente para o continente africano, o programa da empresa dos Estados Unidos da América do ramo da informática visa desenvolver competências digitais e formar novas gerações nos diversos países.

O programa vai começar no início do próximo ano, formando 50 tutores, que vão depois treinar os 10 mil jovens, num período de dois anos, mas segundo Júlia Carvalho, a ideia é que as formações sejam duradouras para poderem abranger mais jovens cabo-verdianos.

Cabo Verde é o primeiro dos PALOP a beneficiar deste programa de capacitação da juventude ao nível digital, mas a representante do IBM almeja chegar a outros países africanos, estando já a iniciar parcerias com os governos da Nigéria e do Quénia.

 
Segundo o diretor-geral das Telecomunicações e Economia Digital de Cabo Verde, Aruna Hendem, o programa vai abranger a literacia digital, a inclusão digital e um plano de formação de todos cabo-verdianos, dentro de um processo de desenvolvimento de competências digitais. “É um programa simples, mas com um parceiro estratégico, que é IBM”, notou o responsável governamental, referindo que os formadores vão utilizar os instrumentos das universidades, do NOSi Akademia e os ‘weblab’ para desenvolver os programas de formação.

O Governo cabo-verdiano dá as condições necessárias para que o programa seja implementado, enquanto os custos financeiros serão suportados pela IBM. Presente na assinatura do memorando, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, disse que é um projeto muito importante, que “vale mais do que mil estradas, portos ou aeroportos”, porque se trata de um investimento nas pessoas.

O ministro disse ainda que o programa “encaixa muito bem” na estratégia do Governo, de desenvolvimento sustentável, com enfoque no setor tecnológica, esperando que as formações venham a abranger todos os jovens cabo-verdianos. Ministério da Educação, entidades responsáveis para a formação profissional, setor privado e sociedade civil são ainda outros dos parceiros envolvidos no programa.

Fonte: Observcador.pt

Empresas privadas apresentam soluções desenvolvidas no NOSi Akademia, no âmbito do programa JumpStart

Apostar fortemente em projetos de investigação e desenvolvimento é um imperativo para que as empresas nacionais do sector das TIC sejam mais competitivos e apresentem soluções mais inovadoras. Ciente desta necessidade, o NOSi, através da iniciativa JumpStart do NOSiAkademia, tem disponibilizado, gratuitamente, recursos técnicos e humanos para que empresas nacionais possam desenvolver projetos de investigação, estimulando o empreendedorismo e a inovação de negócios de base tecnológica.